quinta-feira, agosto 20, 2009

Nossa Entrevista no Site Inema.com.br ano 2006



Caminhos de Lobos Solitários
A história peculiar do Lobo Solitário Moto Grupo, exemplo social, é construída aqui através das palavras de um de seus integrantes, José Alves Pereira.
O contador mineiro de Pará de Minas, José Alves Pereira, 39 anos, revela as origens do Lobo Solitário Moto Grupo, onde tudo começou com uma Yamaha Virago 250 e um sonho. Seu comapanheiro / irmão Damião entrou no consórcio de uma (Virago), com o intuito de conhecer o Brasil em duas rodas, levando o nome de Lobo Solitário.

Pereira aprovou e aderiu à idéia de Damião, comprando uma Virago 250, sua companheira até hoje. A iniciativa ainda precisava vencer uma barreira, outro grupo com o mesmo nome deveria autorizá-los. Então, dito e feito. Oficialização com Ata. Nascia o Lobo Solitário Moto Grupo, devidamente registrado.
O símbolo, baseado no nome, dispensa comentários. Um lobo uivando, tendo a lua ao fundo.
O significado já diz tudo. No entanto, a escolha, as palavras...Lobo Solitário. Sua representação é sua essência:"Acima de tudo, foi escolhido pelo que ele representa. Tem hábitos ímpares, liberdade. O lobo não é um animal solitário, no dia a dia, porque, quando acasala, tem na fêmea a companheira para toda vida. Quando ele uiva, chama todos os outros componentes da alcateia para caçar.
Trazendo para o nosso lado humano e motociclístico, o lobo uivando, é reunião, pegar as motocicletas e rodarmos por este país tão belo que temos", explica.
Além do símbolo, o lema não poderia faltar. "Liberdade, Igualdade, Fraternidade". Essas três palavras remetem à França, no século das luzes. Elas por si só já dizem tudo.
Para Pereira, elas são para todos os seres humanos.Segundo ele, o Moto Grupo não segue uma missão específica.
Veio da comunidade e para ela se volta, à disposição de todos.
Sempre que ocorre um evento, encontro de motociclistas, os membros entram em reunião para discutir a viabilidade de estarem presente.
Rever os amigos, trocar idéias e experiências.
Viagens, aproveitadas como todo bom turista.
A meta é conhecer outros costumes, cultura, arte. Assim, fica difícil escolher a melhor, cada uma com seu detalhe especial, sua beleza particular: "Visitar São Tomé das Letras, no sul de Minas Gerais, é uma coisa que todos deviam fazer. Fomos em julho de 2002. Éramos quatro irmãos lobos", relembra.
Para que as viagens possam ser concretizadas, o primeiro passo é dado na escolha do roteiro. Revisão das motocicletas, equipamentos de segurança, horários.
União com outros grupos com o mesmo destino também é avaliado.
Devido às obrigações do trabalho, as viagens são realizadas eventualmente.
Pereira cita alguns nomes que marcara a rota do Moto Grupo: Pirapora, Itaúna, Divinópolis, Oliveira, São Tomé das Letras, Bom Despacho, Morada Nova de Minas, Curvelo, Três Marias, Santo Antônio do Monte, Formiga.
O Lobo Solitário Moto Grupo foi fundado oficialmente em 28 de outubro de 2001, em Pará de Minas, com dois integrantes, ele e Damião.
Atualmente, seis, entre esposas e namoradas que os acompanham sempre que possível. Sede própria no Rancho São Francisco de Assis. As idades variam entre 23 e 41 anos.
Preconceito. Palavra comum, infelizmente, no universo motociclístico. Entretanto, apenas da minoria. Nem tudo está perdido.
Para Pereira, o lema do Moto Grupo exprime o porquê deste sentimento ainda persistir:"Em opinião particular, diria que é devido a falta de 'Liberdade, Igualdade, Fraternidade'.
Sem estas três coisas simples de falar, porém muito difícil de vivenciar; surge o preconceito", esclarece e acrescenta "Isto se deve aos primórdios do motociclismo de outros paises, até mesmo em filmes, que mostram os motociclistas no papel de arruaceiros, beberrões, briguentos", referindo-se a possíveis origens.A situação, gradualmente, está mudando. Pelo menos, a crença é esta.
O caminho para esta metamorfose é mostrar o contrário do que foi ensinado no passado, conforme Pereira.
Ele ainda acrescenta que vale a velha lei "Não quero que faça comigo.
Então, por que fazer com os outros?"Aí vai um conselho.
Consciência e responsabilidade são a chave para a formação de um Moto Grupo.
Com os dois conceitos, na íntegra, tudo dará certo, segundo Pereira.
Ele é um pouco mais criterioso no quesito crescimento do esporte. "É uma verdadeira Babel", afirma.
Fiscalização e seguimento das normas, na íntegra, não fazem parte de uma tarefa fácil.
O Lobo Solitário Moto Grupo tem registro, brasão, atas de reunião. Tudo dentro da legalidade. Como manda o figurino.
Num cadastro que faria, Pereira ficou surpreso por não poder inscrever-se, uma vez que o nome já estava sendo usado por outro Moto Grupo.Ele acredita que o crescimento do motociclismo está desorganizado, sem regras, sem leis, sem diretrizes.
Um meio, onde a união parece tirar férias. Entretanto, para tudo há uma solução, com o amadurecimento dos conceitos.
Para integrar o Lobo Solitário Moto Grupo basta ter uma motocicleta de cilindrada não específica, com tudo em dia, documentos e máquina. Após, vem o convite e a aceitação como membro legítimo. Aí é só começar a viajar com o grupo para avaliação de conduta moral, na sociedade, no trânsito, junto aos irmãos.
Pereira só lamenta a individualidade de alguns moto grupos.
No mês de abril, normalmente, há um encontro promovido por um clube determinado, sem a participação dos demais:"Como tem muitos eventos no estado, dois encontros por cidade ficam inviáveis, apesar de haver algumas cidades que fazem até três, um para cada moto clube da cidade", analisa. No mais, é curtir a paixão pelo motociclismo, o que realmente importa.
Equipe INEMA
Fonte: José Alves Pereira
Cidade: Pará de Minas-MG
Publicado: Natália CagnaniDATA: 17/02/2006

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito legal o blog!!

anderson disse...

Fala Zé Alves!
Blz?
Ficou muito bakana mesmo!!!
É isso ai...
Tem de usar mesmo as ferramentas atuais, e divulgar seu grupo...
Quem sabe um dia não faço parte...

Abração
Anderson
N. Gameleira